Publicado por: protouro | 21 de Novembro de 2017

Até Sempre Jean-Pierre Garrigues

A nossa luta está mais pobre com o falecimento de Jean-Pierre Garrigues, presidente do CRAC- Comité Radicalement Anti-Corrida após uma longa batalha de dois anos contra um cancro no cérebro.

Batalha essa que não o impediu de continuar a lutar pela abolição das touradas com a determinação que sempre o guiou.

Jamais esqueceremos o Jean-Pierre que com vários abolicionistas invadiu a arena de Rodilhan e que foi agredido violentamente por aficionados raivosos, o Jean-Pierre que se amarrou a um camião de transporte de touros para impedir que os mesmos fossem chacinados numa praça de touros e o Jean-Pierre que liderou dezenas e dezenas de manifestações contra touradas.

É uma perda enorme, mas a luta continua, e o CRAC continuará a existir e a prosseguir a luta do seu fundador ao contrário do que diz a fundação merdosa “prótoiro” que em mais uma das suas mentiras, afirma que as organizações anti-touradas em França se dissolveram devido a lutas internas e processos em tribunal.

O Jean-Pierre faleceu mas deixou atrás de si muitos outros que honrarão a sua memória porque jamais pararão até que as touradas sejam erradicadas de uma vez por todas.

Descansa em paz Jean-Pierre e até sempre!

Prótouro
Pelos touros em liberdade

Anúncios
Publicado por: protouro | 18 de Novembro de 2017

Forcados – Cobardes Miseráveis

Num dos artigos publicados no nosso blogue a propósito da violência dos forcados referimos que em 2009 vários forcados tinham agredido seguranças de uma discoteca numa festa em Évora.

Esta era a informação que tínhamos até lermos uma entrevista publicada no “Observador” ao ex-segurança Marlon Queiroz que publicou um livro intitulado “Máfias da Noite”.

Nessa entrevista Marlon Queiroz descreve o que realmente aconteceu em 2009 quando decidiu aceitar um trabalho de um amigo que organizava eventos.

Diz Marlon Queiroz e citamos:

“Montei uma equipa e fui trabalhar. Era um evento para forcados num monte alentejano. Um grande amigo meu, que era também segurança, foi visitar-me nesse local. Correu tudo bem, foi super tranquilo. Eram cerca de 5h00 quando já estava praticamente toda a gente fora do espaço. Fomos à casa de banho ver se havia alguém caído, o que às vezes acontece por causa do álcool e das drogas… Já estava a tirar os auscultadores quando a mulher desse meu amigo vem pedir-me ajuda a dizer que o vão matar. Quando cheguei lá fora estavam 20 pessoas à volta dele a bater-lhe. Era para o matar. Lembro-me que, a certa altura, e quando percebi que ninguém me ia ouvir, baixei-me e pus-me em cima dele a proteger-lhe a cabeça. Era um grupo de vários forcados que em várias ocasiões tinham sido barrados por ele à entrada de discotecas e que naquele dia o viram e, já bêbedos, retaliaram. As imagens do Urban não são nada em relação aquela selvajaria. A GNR acabou por chegar e o segurança demorou algum tempo a recuperar. Um dos autores das agressões seria assassinado em Alcácer anos depois.”

Ora bem, o grupo em questão, foi o de Montemor, e um dos autores da agressão foi nem mais nem menos que José Maria Cortes que acabou por ser esfaqueado no coração quando se envolveu em mais uma rixa desta vez em 2013 em Alcácer do Sal.

Voltamos a reiterar que os forcados são um símbolo de vergonha nacional e que além de abusarem de bovinos moribundos são bêbedos, arruaceiros e sobretudo cobardes porque só atacam em manada, como neste caso, 20 forcados a bater num!

Curiosamente, até hoje, nunca vimos nenhum destes energúmenos sentado no banco dos réus por crimes de ofensa à integridade física ou tentativa de homicídio!

E a tauromáfia ainda tem a latosa de afirmar que os homens das ramagens como eles dizem são uns valentes.

Não os forcados não são nem nunca serão valentes, bem pelo contrário, são e serão sempre um bando de cobardes miseráveis!

Prótouro
Pelos touros em liberdade

Publicado por: protouro | 12 de Novembro de 2017

Um Palhaço Chamado Boris Johnson

O Secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros do Reino Unido teve a distinta lata de afirmar num jantar para celebrar os laços entre Inglaterra e Espanha que tentar abolir as touradas era levar o politicamente correcto à loucura.

A delegação espanhola que se encontrava no referido jantar ficou furiosa ao ponto de um deles afirmar que não gosta que o seu país seja caricaturado pelas touradas, flamenco e paella.

Outro dos convidados disse mesmo a um deputado inglês e citamos: “Ele é um palhaço. Não tem condições para representar o vosso país”.

Obviamente que as reacções não se fizeram esperar e depois dos ataques ao cretino na imprensa britânica, o porta-voz da secretaria de estado afirmou que o que Boris queria dizer era que respeitava a tradição espanhola mas que não era a favor de touradas tanto mais que o Reino Unido as tinha abolido.

Alguém que nos explique como é que se abole algo que nunca existiu!

Este Boris é um morcão completamente descerebrado e quando abre a boca ou entra mosca ou sai asneira portanto deveria ser imediatamente posto no olho da rua.

Prótouro
Pelos touros em liberdade

Publicado por: protouro | 8 de Novembro de 2017

Espanha Franquista

Datxu Peris vereadora da cidade de Catarroja, Valência foi condenada pelo tribunal de Sepúlveda (Segóvia) a pagar 7.000 euros de indemnização à família do tauricida Victor Barrio por ter afirmado aquando da sua morte numa praça de touros o seguinte:

“Podemos ver o aspecto positivo das notícias para não sofrer tanto… Deixou de matar. O negativo é que matou muito. Quando é que se deixam de subsidiar práticas com cheiro a sadismo. Não posso sentir pelo assassino que morreu mais que por todos os cadáveres que deixou enquanto era vivo. Não só touros adultos ao largo da sua carreira mas também novilhos durante a sua aprendizagem em escolas tauromáquicas nas quais podemos encontrar crianças que acabam por achar normal situações como esta: um aluno estoqueou 14 vezes o animal até este cair no chão onde foi apunhalado e ainda vivo foi arrastado para o matadouro”.

De acordo com a Fundação do Touro de Lide autora da acusação a vereadora incorreu num crime de intromissão ilegítima da honra do matador.

Intromissão ilegítima da honra de um tauricida que foi morto enquanto torturava um bovino!
Só mesmo um país retrógado, fascista e com muitos resquíscios de franquismo poderia condenar alguém por liberdade de expressão.

O que a vereadora afirmou é simplesmente a constatação de um facto, e não um insulto e muito menos um crime de intromissão ilegítima da honra, porque quem ganha a vida a torturar e a matar bovinos não tem honra nenhuma, antes pelo contrário, é um pária da sociedade e se morreu tal deve-se ao facto dos governos de uma minoria de países ainda permitirem que a tauromaquia seja legal.

Neste mundo de trampa se os valores não estivessem invertidos, quem se deveria sentar no banco dos réus não era  Datxu Peris mas sim o estado espanhol, porque esse é o responsável pela morte deste e  de outros tauricidas uma vez que fomenta a violência e a morte ao ponto de considerar a matança de bovinos como património cultural.

A morte do tauricida Victor Barrio é da inteira responsabilidade do partido popular franquista espanhol liderado pelo fascista barbudo Rajoy e a sentença que condenou esta vereadora só prova que Espanha é um país retrógrado onde a democracia é pura fachada.

Prótouro
Pelos touros em liberdade

Publicado por: protouro | 4 de Novembro de 2017

“Se o Touro Não For Espicaçado Não Reage”

O fadista José da Câmara deu uma entrevista ao Infocul onde a dada altura lhe são feitas perguntas sobre tauromaquia.

Entre muitas parvoíces afirma que se as touradas acabarem os touros bravos desaparecem e perdem-se milhares de postos de trabalho.

E declara ainda que “hoje em dia não sou muito aficionado” ou “acho exagerado tantos ferros”.

Mas a cereja no topo do bolo é quando diz e citamos:

“Eu acho que às vezes é um bocado exagerado ali nos ferros, uns ferros a mais e tal.
Agora se um touro bravo não é um bocadinho espicaçado também não reage.”

Pois é José da Câmara os touros só reagem quando são torturados com bandarilhas porque são animais herbívoros, e quanto aos bovinos e postos de trabalho desaparecerem, para tua informação, quando as touradas forem abolidas a única raça que desaparece é a dos tauricidas e quejandos.

Mais um a quem fizeram uma lavagem cerebral para vomitar as alarvidades do costume.

Prótouro
Pelos touros em liberdade

Publicado por: protouro | 1 de Novembro de 2017

Aficionado Irracional Arrisca a Vida de Bebé

Como todos sabemos é constante a presença não só de crianças a assistir a touradas, como também de bebés de colo, sem que as autoridades movam um dedo para impedir que as mesmas assistam à tortura lenta e bárbara de bovinos.

Existem resmas de fotos tiradas em qualquer praça de touros que provam que as autoridades são ceguinhas ou pretendem ser ao permitirem que os pais destas crianças acedam aos antros com as mesmas.

E como se tal não fosse só por si inadmissível e ilegal, eis que na tourada que teve lugar no dia 29 de Outubro em Évora, e que encerrou a trampa da temporada tauromáquica, um pai está entre barreiras (trincheira) com o filho ao colo tal como a fotografia que se segue demonstra.

Que raio de pai é este que não teve qualquer problema em expor um bebé desta maneira?

Quantas e quantas vezes os bovinos na sua tentativa de fuga saltam a barreira e ferem pessoas que estão na mesma?

Muitas até porque na maior parte das vezes estão mais pessoas entre barreiras do que na assistência o que é mais uma prova da violação do RET (art.28º).

Se tal tivesse ocorrido o que faria este pai criminoso atirava a criança para a arena e saltava a seguir ou atirava-se para a arena com a criança ao colo?

Uma vez mais voltamos a perguntar para que é que serve a porcaria da IGAC e para que é que existe já que nem sequer o RET faz cumprir!

Não temos dúvidas que esta bandalheira só acaba no dia em que uma criança morra ou fique seriamente ferida quer porque estava numa praça de touros quer porque estava a participar numa tourada, até lá esta perversão continua porque os governantes e muitos deputados há muito que se deixaram corromper pela indústria tauromáquica!

Prótouro
Pelos touros em liberdade

Publicado por: protouro | 18 de Outubro de 2017

Indústria Tauromáquica Finta a Lei

No passado dia 14 Tomás Moura de 9 anos e Tomás S. Bastos de 10 anos tourearam em Vila Boim.

Uma vez que por lei não o podiam fazer numa tourada fizeram-no numa demonstração de toureio.

Imagens da tortura se existem e claro que existem foram simplesmente censuradas em todos os blogues tauromafiosos, no entanto, existem crónicas.

Afirma um blogue tauromafioso e citamos:

“TOMÁS MOURA

Todo um caso em que se viu bem a fonte onde bebeu. Sentido de lide, sortes bem desenhadas, desembaraço e a facilidade natural em chegar ao público, pesaram na sua apresentação, pesada por uma praça cheia…
Sacou três cavalos e em todos se desenrascou, e mesmo quando as bandarilhas não ficaram, as sortes foram bem desenhadas mesmo quando em sortes mais arriscadas…

TOMÁS S. BASTOS

Outro caso de um toureiro de dinastia. Filho do bandarilheiro David Antunes e sobrinho neto do matador José Julio, traz-me á ideia este slogan que imortalizou o dito matador : “É de vila Franca e chama-se José Julio”. É caso para dizer : ” È de V. franca e chama-se Tomás”…
Como é possível caber tanta raça e toureria num jovem de dez anos??’!!”

Uma vez mais a lei foi desrespeitada mesmo que para a fintar tenham mudado o nome de tourada para demonstração de toureio.

Mais uma prova a juntar a tantas outras que neste país a indústria tauromáquica faz o que bem quer e lhe apetece.

Já agora onde é que estava a Comissão de Protecção de Menores e a IGAC as tais, que em Setembro, não autorizaram que Tomás Moura se estreasse a torturar animais em Évora?

Prótouro
Pelos touros em liberdade

Publicado por: protouro | 16 de Outubro de 2017

Os Mamões Tauromafiosos Querem Mais Subsídios

A Solange Pinto do blogue tauromafioso “touro e ouro”, publicou um artigo, onde afirma que o orçamento de estado alocou 480 milhões de euros para a cultura e que a tauromaquia não recebeu nem um cêntimo o que prova uma vez mais que a dita cuja sobrevive sem apoios estatais e europeus.

O descaramento ainda não paga imposto mas um dia quem sabe e se o OE não deu subsídios através do Ministério da Cultura para a decrépita tauromaquia, tal deve-se ao facto, de a mesma receber chorudos subsídios através do Ministério da Agricultura para a vaca brava de lide ou seja, a mãe dos bovinos que vocês chamam touros de lide.

Irra que este assunto já chateia, mas perante a vossa insistência em afirmar que não recebem subsídios, temos que voltar a afirmar, que a mentira tem perna curta e que mais depressa se apanha um mentiroso que um coxo.

Milhões e não milhares de euros são dados de mão beijada à indústria tauromáquica e esta gaja ainda queria que o Ministério da Cultura também lhes desse dinheiro!

Granda lata!

Prótouro
Pelos touros em liberdade

Publicado por: protouro | 15 de Outubro de 2017

Um Organismo Corrupto Chamado IGAC

Infelizmente, a tortura em nome de uma suposta cultura popular é legal neste país graças aos “eruditos” legisladores que não têm dois neurónios funcionais para perceberem, que torturar animais para gáudio de uns quantos numa praça pública é inaceitável quer moralmente quer eticamente.

Mas uma vez que lamentavelmente tal legislação existe o mínimo que se poderia esperar é que a mesma fosse respeitada.

No entanto os que deveriam pugnar por fazerem cumprir essas regras de trampa não o fazem e todos nós pagamos essa cambada. Cambada essa que inclui veterinários, directores de touradas e inspectores da IGAC.


Toda esta gente há muito que se deixou corromper por ganadeiros e empresários tauromáquicos os quais também sugam o nosso dinheiro em subsídios de toda a espécie.

Toda esta máfia não olha a meios para atingir os fins, que mais não são, que enriquecer à conta da chacina de seres sencientes num espectáculo obsceno onde os únicos animais racionais são os touros e os cavalos.

Toda esta gentalha faz o que bem quer e lhe apetece com a conivência da IGAC já que esta inspecção há muito que se vendeu à indústria tauromáquica e se mais provas fossem precisas temos touros cegos , coxos e etc. Uma enormidade de irregularidades que violam o RET tal como o uso de bandarilhas negras.

Não fosse um blogue tauromafioso admitir tal uso, ao ponto de afirmar, que são raramente usadas em Portugal o que significa que as mesmas existem em todas as praças de touros e ninguém saberia, já que suspeitamos, que muitos dos aficionados que assistem à tortura não sabem o que são bandarilhas negras.

Mas se os aficionados não sabem a IGAC sabe e nada faz para impedir que as mesmas sejam usadas à revelia do RET.

Este país é sem dúvida um vómito!

Prótouro
Pelos touros em liberdade

Publicado por: protouro | 13 de Outubro de 2017

O Aficionado Alucinado

Luís Capucha deu uma entrevista a uma web tauromafiosa onde afirma que dois milhões de portugueses são aficionados, e que se todos se tivessem mobilizado para votar no orçamento participativo de Portugal a votação seria esmagadora.

Afirma ainda que as praças de touros estão sempre a abarrotar e que os empresários têm sucesso com as boas casas.

Este tipo é sem sombra de dúvida um fantasista desvairado uma vez que como todos nós sabemos, mesmo com a ajuda da “prótoiro” a distribuir panfletos e a ensinar como votar o projecto só teve uns cinco mil e tal votos.

E quanto às praças de touros a abarrotar espera-lhe pela pancada ou seja espera pelo relatório da IGAC.

Se 2016 foi um ano negro no que à tauromaquia diz respeito, 2017 será ainda mais negro porquanto, foram raras as praças de touros que conseguiram mais de meia lotação.

As touradas na catedral da tortura foram um verdadeiro fiasco no ano em que comemora 125 anos a massacrar animais.

Aquilo a que eles chamam Sevilha portuguesa, leia-se Vila Franca de Xira foi outro fiasco só para mencionar dois exemplos no entanto, este aldrabãozito ainda tem a lata de afirmar que existem dois milhões de aficionados e que as praças estão a abarrotar!

Sinceramente nós não sabemos o que é que este gajo e todos os aficionados fumam ou bebem, mas de uma coisa temos a certeza, seja lá o que for está a afectar-lhes o cérebro e de que maneira!

E o desvario destes tipos tem o apoio dos legisladores e graças aos mesmos e ao governo, este bandalho conseguiu enfiar no bolso 200.000 euros dos nossos impostos!

Prótouro
Pelos touros em liberdade

Older Posts »

Categorias