Publicado por: protouro | 25 de Setembro de 2014

Quando Tordesilhas Não Matava Touros

A polémica em torno do bárbaro espectáculo de lancear um touro até à morte, não é de hoje, de facto, a mesma começou em 1954 quando o NO-DO, noticiário da época mostrou imagens do festejo. Nessa altura, diversas personalidades e cidadãos consideraram o espectáculo atroz e cruel.

O debate foi subindo de tom e em 1958, o então governador de civil de Valladolid, Antonio Ruiz-Ocaña Remiro, convidado a pronunciar-se pelo director geral da polícia, Manuel Chacón Secos,  sobre o assunto,  escreve uma carta onde afirma: “Examinando o problema para o futuro, não posso ocultar-lhe que há que suspender o espectáculo (do touro de la Vega), com certo tato uma vez que se trata de uma tradição de séculos”.

Em 1966, o governo emite uma circular na qual determina que para evitar que o espectáculo seja suspenso, passa a ser proibido lancear o touro. Na sequência dessa circular, a Câmara Municipal de Tordesilhas, envia em 5 de Setembro desse ano, uma carta ao governador civil onde se compromete a que a largada do touro será feita sem que ninguém toque ou fira o mesmo.

carta tordesilhas 1966

Em 13 de Setembro de 1966 e nos anos seguintes, o espectáculo consistiu apenas na largada do touro e de cabrestos que eram conduzidos até à chamada zona da Vega e posteriormente reconduzidos ao curro e devolvidos à ganadaria.

Em 1970, com a mudança de autoridades e a influência do subdirector geral da cultura popular e espectáculos, Antolín de Santiago Juárez, o espectáculo voltou novamente a ser como o conhecemos hoje, o que prova que o povinho de Tordesilhas não se quis civilizar e continua a preferir viver na era cavernícola.

Prótouro
Pelos touros em liberdade

Anúncios

Responses

  1. E no tempo da Roma antiga ainda ara pior. Os cristãos eram deitados às feras. QUE HORROR!!!!!! Chaubet

    • Muito nos surpreende que um ex-forcado reconheça que a barbaridade que se pratica em Tordesilhas é um horror, devia reconhecer também que o que se pratica nas praças de touros que ele tanto gosta de frequentar, também é um horror. Não são cristão deitados às feras, mas touros deitados a um bando de tauricidas sedentos de sangue.


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias