Publicado por: protouro | 18 de Março de 2014

Os Aficionados Julgam-se Acima da Lei

Um imberbe que dá pelo nome de Duarte Palha, escreveu um artigo intitulado “Desmamar a aficion”.

Duarte Palha

O artigo mais não é que uma afronta descarada ao não cumprimento da lei que classifica os espectáculos tauromáquicos para maiores de 12 anos.

Afirma o rapazote e citamos:

“Querem roubar a ansiedade a quem tenha menos de 12 anos. Querem acabar com as pegas a cabeças de toiro, feitas com os dedos dos pais, com as bandarilhas de colher de pau, com os capotes aos quadrados, com os bancos que marram.
Mas nós diremos que não. Que não deixamos. Que é a luta que nos resta. Desobedecer cegamente. Porque não? Porque havemos de encarneirar sempre? Vamos, por uma vez, fazer as coisas à nossa maneira. Como queremos. Como seres livres que somos. Vamos levar crianças às praças. Mentir na idade que têm, escondê-las da polícia, fingir que não conhecemos a lei. Porque é essa a nossa obrigação.
Alimentar a aficion de quem a tem sem saber porquê. Porque um dia que eu seja pai, quero investir com um carrinho de mão, quero montar praças com lego, quero ir aos toiros e explicar que o forcado da cara não é um campino, por ter barrete.
Quero e hei-de fazê-lo. Que não é a lei que mata a aficion. E não é a lei que nos impede de fazer o que queremos. Nunca foi.”

Quando o tipo tem o descaramento de afirmar que não é lei que os impede de fazer o que querem está tudo dito. Claro que a lei não os impede de fazer o que querem porque o dinheiro que têm compra tudo e todos. Em todos os espectáculos tauromáquicos, estão presentes elementos da PSP ou da GNR,  no entanto, por incrível que pareça, nunca nenhum deles viu menores de seis anos na assistência. Das duas uma ou usam óculos que transformam as imagens de menores em maiores ou recebem uma gratificação para virar a cara para o outro lado.

E isto vem provar, que a maioria das leis que temos só servem para encher páginas do Diário da República, já que na prática são ineficazes porque as autoridades não as fazem cumprir.

O que acontecia com a anterior lei vai acontecer com a nova lei, continuaremos a ver crianças de colo nas praças de touros sem que nada aconteça, porque se o governo tivesse mesmo intenção de proibir os menores de 12 anos de assistirem a estas aberrações, teria legislado não só no sentido de punir os pais prevaricadores com pesadas penas de multa, como sancionaria também com processos disciplinares os agentes da autoridade que não fizessem cumprir a mesma.

A nova lei, tal como a anterior, será mais uma peça legislativa para limpar o traseiro. Os aficionados e torcionários deste país, esses, continuarão a gozar com aqueles que nos governam e fazem leis de trampa.

Prótouro
Pelos touros em liberdade

Anúncios

Responses

  1. Não sei se já foi aqui dito, por qualquer intelectual de retrete que são estas pessoas de nome pomposo à qual a ideia de grandeza ainda lhes assiste o ego, não mais por isso mesmo, pelo nome, supostamente, pomposo, que isto das corridas e brincadeiras circenses, por não passarem de uns palhaços no meio de uma rotunda vazia de sentimentos e de honra, faz parte de uma cultura centenária e parte da vida longa de um pais que já tem na sua história uns valentes séculos.
    Mas também o faz a escravatura e tantas mais atrocidades que envergonham qualquer Português. Que volte a escravatura, já que os Pretos não serviam mais do que para servir. Equivoquei-me, são cidadãos como qualquer outro, não foi por deixarem de servir um propósito que deixaram de existir. Que argumento utilizado por tais criaturas para continuarem a fazer a sua festa não respeitanto todos os outros. Que vergonha de mentalidade, esta da liberdade “conquistada”, liberdade total. Não sejamos hipócritas, cada um faz o quer e bem entender, se isso não ferir susceptibilidades, crenças e valores de outrem. Os mesmos que argumentam a favor da permissão de crianças em “matadouros”, são os mesmo que viamente se exaltaram contra a adopção por parte de casais do mesmo sexo.
    Vergonha, tenham um pingo de vergonha, não peço mais nem menos.

  2. Em vez de acharem que é bom levarem crianças para que se “divertam” (?) e para que aprendam como se torturam animais nas touradas, aconselho-vos a meditarem bem no seguinte, se forem capazes.
    Aprendam, se tiverem inteligência para isso e se tiverem caracter para respeitar outros seres e reconhecerem que estão errados!
    A liberdade de cada um termina onde ela ofende a integridade e mais direitos dos outros seres. É claro que há gente, como os tauromáquicos, que não aceita este princípio óbvio e que defende liberdade para que touros e cavalos sejam torturados estúpida e barbaramente. Estranho que pessoas que somam escolaridade, conhecimentos, títulos, peneiras, vaidades, desconheçam, ou não são sensíveis ao que segue. Andam a leste da realidade?
    Todos os seres dotados de sistema nervoso, como o Homem, o Touro, o Cavalo, o Cão, o Gato, etc. sofrem de modo semelhante, tanto por emoções, como por dores físicas. O sofrimento provocado aos animais, antes, durante e depois das touradas é atroz. É o que acontece nas touradas, que tanto apreciam nas praças e que gostam de ver em programas de televisão.
    A tauromaquia está inexoravelmente ligada ao sofrimento animal. Vocês são cúmplices disso e degradam-se como apoiantes dessa desgraça. Além do sofrimento que provoca aos animais, ela provoca indignação, sofrimento às pessoas conscientes e compassivas. Deseduca e embota a sensibilidade de jovens. Compromete o prestígio de Portugal. Choca turistas inadvertidos e desencoraja possíveis turistas conscientes.
    O que afirmo é com conhecimento de causa e com muitos anos de experiência. Sou médico veterinário, com experiência de 3 anos em touradas, cavaleiro durante décadas, concorrendo em torneios de obstáculos, corta mato e concurso hípico completo. Ninguém me pode acusar de ignorância sobre o assunto.
    Mudem de mentalidade e juntem-se ao grande grupo de pessoas compassivas, portanto, que respeitam pessoas e animais. Nunca é tarde patra evoluír. Seriam bem recebidos!!!

    • Se diz que é uma tortura a tauromaquia, não será também uma tortura os toneios de obstucálos? os torneios de corta mato? e ainda o concurso hípico completo? O seu cavalo escolheu fazê-lo ou você impos-lhe? ele não sofre stress por estar em tal ambiente? e o freio na boca sabe-lhe bem? então porque também não o põe assim? E quanto aos stick? e o cavalo para ser domado? E o facto de o ter tirado da familia? E ele viver grande parte do tempo numa boxe em vez de viver no seu habitat natural? Estas minhas perguntas vem a propósito da sua ideia que sofremos de igual forma quer fisca quer mentalmente.

      • CAVALOS E PESSOAS 
        Muito sofrem cavalos sob violência, impreparação, ambição, exibicionismo de cavaleiros, de detentores e de exploradores. 
        Claro, que além do bem estar físico, o bem estar emocional dos cavalos pode ser imensamente agredido.
        São bastante excepcionais os cavaleiros que não usam de violência para os cavalos, principalmente em competição.
        A violência física actua, principalmente por pingalins, chibatas, chicotes e sobre a boca (por ferros – freio, bridão, candarra – e rédeas), mandíbula (barbela) e ventre (por esporas + – cortantes) dos cavalos, além de exigir esforço, por vezes até ao limite da capacidade dos animais.
        A acção violenta sobre a boca repercute-se muito sobre a coluna cervical, a coluna lombar, os membros e sobre os andamentos.
        O desporto de competição, o trabalho sacrifica muitos cavalos, obviamente também pelo esforço exigido.
        Cavalos de trabalho têm frequentemente uma vida muito dura.
        Cavalos explorados para toureio são obrigados com violência a suportar grande tensão emocional (capaz de lhes provocar a morte por colapso cardíaco), a suportar grande esforço físico, a arriscar ferimento e a morte. 
        A boca pelos ferros (freio e bridão, candarra), a mandíbula pela barbela, o chanfro pela serreta, os flancos, o ventre pelas esporas + – cortantes, são as zonas de maior castigo a que são sujeitos.
        Por outro lado e felizmente, pessoas respeitadoras e amigas dos cavalos, cavaleiros descontraídos dos tempos livres (em maior número do sexo feminino), podem dedicar boa amizade e companheirismo aos seus cavalos e dar-lhes muito prazer em encontros e em passeios na natureza.
        Em comentário à Barbara com os meus cumprimentos.
        Vasco Reis

  3. Bastou-me uma olhadela despida pelo vosso blog para perceber o seguinte:

    Recortar umas caras e esmiuçar textos de blogues (pessoais) de quem nunca se cruzou com nenhum de vocês… Meus amigos, é muito fácil.

    Difícil…
    Muito difícil é perceber que todos crescemos rodeados da educação que nos dão, e que para além da educação, prezar aquilo que são os nossos antepassados, os costumes, os interesses e as tradições também faz parte daquilo que nos envolve até ao nosso último dia de vida. Afinal é também disso que somos feitos, daquilo que gostamos de fazer.

    E por isso eu pergunto-vos: Terá um dia a minha filha o mesmo sonho que a Mara (por quem passei os olhos há pouco neste blog)? Não sei. Mas se tiver, uma mãe apoiará incondicionalmente o filho. Filho este que quer fazer uma coisa legal, no seu país, e apreciada por multidões. Ou com isso também querem acabar? E deixarei eu que uma cambada de passeantes cibernáuticos critiquem aquilo que a minha filha quererá ou não fazer? Nunca.

    E por falar em filhos, falo também nos vossos, que muito contentes foram à praia pela primeira vez antes dos doze anos e muito contentes se apaixonam por coisas que não explicam, gostam porque gostam, no verdadeiro gostar que é a pureza de uma criança. Mas para vos apimentar a vontade vazia de tentarem acabar com os sonhos de muitos miúdos que podiam então ser vossos filhos vos digo: o Verão dos meus filhos um dia será bem mais recheado que os vossos, porque a semana é curta, mas chega para umas boas corridas de toiros, e para uns descansos na praia, e com estes tenho a certeza que os meus filhos vão crescer sem ideais doentios que os consomem e que a estes se soma o ódio a outras pessoas que fazem o que gostam, que é ir a corridas de toiros.
    O que o Duarte Palha escreve, não é nada mais, nada menos, que um expressar de ideias que definem aquilo que ele é, aquilo a que está acostumado, aquilo que lhe interessa e aquilo que é uma das mais antigas tradições portuguesas. E porque não?! Quem são vocês?

    Sei lá eu quem são. A única coisa que sei é que, por causa de pessoas como vocês, que nunca esgotam o stock de insultos básicos, que o nosso país perdeu o bilhete de identidade que um dia teve, do qual somos fruto, mas que hoje já murchou. Não são só grandes obras de arte, ou grandes livros que foram inspirados na mais bonita festa que acontecerá eternamente em Portugal, porque muito do que é o nosso país inspirou-se no calor humano, na música, na arte, na família e no convívio entre cores garridas e gargalhadas castiças que nos ligam à terra, ao campo e a quem cultiva o que quer semear, simplesmente por gosto e respeito a uma tradição. Nunca nos vossos sonhos podem dizer nem em voz alta, nem baixinho, que gostam mais de animais do que nós, até porque não são vocês que dão vida a estes animais durante o ano, e que com eles entendem o verdadeiro porquê das tradições existirem. Mas esta emoção mista de valores e memórias, é uma coisa que de nunca terão conhecimento.
    Tenho pena, muita pena. Porque hoje em Portugal já não se vê Portugal, vê-se aquilo a que o mundo inteiro chegou, a um reflexo homogéneo de coisas que nunca podem ser misturadas. Mas os que não compreendem isso são os mesmos que passam o tempo colados a um computador a defender, atacando, uma coisa que nunca irá acabar, porque quererem acabar com os toiros bravos em Portugal, isso sim é um querer que acaba com a vossa primordial causa, porque dividem as vossas energias entre a revolta e o queixume.

    Mas as contas de dividir sempre foram as mais difíceis, e com elas muito fica para trás.

    Para além de vos dizer que um dia virei a ensinar as tais “contas de dividir” aos meus filhos, que depois dos doze anos já terão obrigação de as saber, desejo-vos um bom Verão, que o meu…já sabem como vai ser.

    • T.M.O -Teresa Martins de Oliveira antes demais, deixe que lhe digamos, que deveria ter dado uma olhadela pelo nosso blogue vestida e não despida, para evitar termos que ler o seu longo testamento.
      O nosso blogue luta pela abolição da tauromaquia, um espectáculo aberrante que já deveria ter sido erradicado há muito, mesmo que vocês o considerem uma tradição. Mas tal como todos os aficionados, a senhora persiste em misturar alhos com bugalhos. Ao contrário do seu longo texto, nós vamos directos ao assunto: Um imberbe que dá pelo nome de Duarte Palha, escreveu um artigo, onde apela à desobediência da lei e caso a senhora não saiba isso é crime. Se “V.Exa.” tivesse a decência de ler artigos vestida, ao invés de estar nua, ter-nos-ia poupado esta resposta.

    • O gozo com o sangue e o sofrimento de seres inocentes é doentio e não é um modelo que possa ser incutido a ninguém, muito menos a crianças.
      Quem pode dar gargalhadas diante de um animal em agonia? Quem pode dizer que a tortura é arte? As tentativas dos aficionados “poetizarem” as atrocidades cometidas nas touradas são no mínimo patéticas.
      As tradições grotescas são coisas para eliminar e não há nada de errado nisso. Chama-se evolução!

    • ” todos crescemos rodeados da educação que nos dão, e que para além da educação, prezar aquilo que são os nossos antepassados, os costumes, os interesses e as tradições também faz parte daquilo que nos envolve até ao nosso último dia de vida. Afinal é também disso que somos feitos, daquilo que gostamos de fazer.” Estas tradições que você defende não são nada mais do que ATRASO DE VIDA! MENTALIDADE BACÔCA!
      O TMO não sabe o que significa a palavra LIBERDADE e RESPEITO PELO PRÓXIMO!!! Nem as sábias palavras do Dr. Vasco Reis fazem eco dentro dessa sua cabeça obtusa.

      A tauromaquia é uma deturpação de uma prática ancestral e mitológica igualmente sangrenta mas adequada ao tempo em que existiu e aos homens desse tempo antigo.

      O TMO não sabe o que significa EVOLUÇÃO!!! Se esta não existisse ainda estavamos na idade da pedra, mas o TMO para fazer jus à sua postura é uma criatura medieval.

      A TAUROMAQUIA ESTÁ MORIBUNDA. OS TEMPOS SÃO OUTROS. GANADEROS, CAVALEIROS, FORCADOS E RESTANTE ESCUMALHA ESTÃO CONDENADOS AO FRACASSO!

      NUNCA NOS CALAREMOS ATÉ AO ÚLTIMO TOURO. SUSPIRAMOS COM TODOS ELES E NÃO ESTAMOS APENAS ATRÁS DE UM COMPUTADOR, ESTAMOS NA VIDA DE TODOS OS DIAS E QUEREMOS UM FUTURO SEM SANGUE PARA AS CRIANÇAS DE HOJE E DE AMANHÃ!

      PELOS TOUROS E CAVALOS EM LIBERDADE!!!

    • Insultos básicos??? Isso é do departamento aficionado ou não me diga que nunca se deparou com os comentários dos seus amigos aficionados em diversos blogs e redes sociais???

  4. ehehehe este texto está hilariante!! PARABENS!!!!!!!!!!!!!!!!!

  5. Eu estou um pouco confusa depois de ler os vossos comentários. Dizem que pessoas que vão a Corridas de Toiros são burras, analfabetas, incultas ignorantes e que maltratam animais e pessoas. Mas eu estudo Artes e Humanidades com Major em Artes do Espectáculo e dois minors um em Artes e culturas comparadas e outro em Comunicação em Cultura (ou seja estudo artes, onde literatura está incluída, logo não posso ser analfabeta, e num curso tão amplo, também não me pode faltar cultura. Fiz voluntariado durante 3 anos em Hipoterapia, fiz um ano de voluntariado com sem abrigos e a seguir tive mais dois anos como chefe de equipa, no ano passado parti em Missão humanitária em Cabo Verde, (onde até adoptamos uma cadela e dávamos-lhe comida e carinho) e fiz outras acções pontuais de voluntariado. Criei também uma associação que leva a arte aos mais carenciados. Sempre tive cães e sempre os tratem bem, neste momento tenho uma cadela que iam entregar ao canil e eu disse que ficava com ela (é a segunda vez que isto acontece). Nunca bati em ninguém, nunca maltratei um animal, e sempre fiz tudo da maneira mais correcta possível quer com as pessoas quer com os animais. Por esse motivo pergunto a estes senhores se acham correcto dizerem que alguém que vê corridas desde pequena é analfabeta, inculta, ignorante e que maltrata os animais e as pessoas. Talvez devessem abrir os horizontes, o facto de divergirmos numa opinião não vos dá o direito de nos pintarem como querem.

    • Um ser dito humano que aprecia e goza com o sangue e o sofrimento de seres inocentes, com toda a certeza tem um problema. Os seres inocentes que torturam nas touradas não podem ser “carne para canhão” para divertir gente aficionada por espetadelas com ferros.

    • Pode ter esses conhecimentos todos de cultura mas falta-lhe qualquer coisa: empatia para com os touros animal mamifero como a Bárbara e todos nós. Se calhar, se não tivesse cães e lhes desse de comer e eles entrassem na sua sala e na sua casa, achava natural espetarem-lhes farpas no lombo e até aplaudia. Quem sabe?… Mas como os touros vivem nos pastos, têm chifres e não os podemos trazer para casa podem ser torturados em praça pública. Afinal, não sentem nada e é uma tradição sacrificar um animal até à morte. Uma questão de identidade cultural como gostam de dizer alguns. Gostamos de mostrar ao mundo o quando somos… sei lá… pequeninos, mas fortes e destemidos. Mentalidade de aficionado é assim mesmo, pequenina, pequenina… por mais cultura que demonstre ter.Temos pena.

  6. Sou claramente contra esta opinião e sinto alguma repulsa/vergonha por ter este tipo de gente no meu país. Somos livres de ter opinião mas quando a nossa opinião viola a liberdade de outro ser, temos que reconsiderar. Duarte não consegues enxergar o teu egoísmo perante estes animais?

    • O problema é que nem em direito positivo nem em direito natural os animais são nossos semelhantes. Não quero com isto dizer que possamos trata-los indiscriminadamente. Os animais surgem numa condição e devemos trata-los de acordo com essa condição. Mas um animal não é um ser humano, não nos equivoquemos nesse aspecto determinante.

      • Os animais são, em muitos aspectos, muito melhores do que certos “semelhantes” meus com a designação de humanos. Essas explicações de “direito” disto e daquilo têm servido de base a toda e qualquer exploração dos animais humanos e não humanos! Os nativos africanos também eram considerados animais não-humanos e escravizados durante séculos…

      • Elizabete, não precisa de ir tão longe. Também os povos daqui eram escravizados, quando perdiam guerras, etc. A evolução trouxe-nos a este patamar onde todos os Homens nascem livres e iguais entre si. E sobretudo se observar essas questões da escravatura e outras, vê o quão fantástica essa assunção é… Eu também gosto mais do meu cão do que da Elizabete, nem que seja porque não a conheço, mas não posso deshumaniza-la ou humanizar o meu cão por esse facto: seria desvirtuar a evolução humanista que falei anteriormente!

  7. Boa tarde,

    Fui ver o filme Diamantes de Sangue ao cinema.
    Filme para maiores de 16.
    Ao meu lado estava uma família com crianças.
    Não sei se subornaram o GNR, o tipo dos bilhetes ou o senhor das pipocas.
    Sei que 2 crianças entre os 6 e os 10 anos viram um filme onde seres humanos são estripados, crianças matam os pais, etc…
    Quantos de vós com filhos os deixam ver filmes desta categoria?
    E jogos de computador altamente violentos?
    Não sou profissional mas perguntem a quem de direito o efeito que estes filmes e jogos têm nas crianças e comparem com o de levar, em família, um menor a uma praça de toiros…
    Se alguma vez quiserem fazer uma manif em frente a cinemas contra esta falta de controlo contem comigo. Levamos todos panelas para fazer barulho e podemos gritar slogans tipo: -“Cinema violento para menores não é cultura, é tortura para as pequenas consciências em formação dos pequenotes” (se calhar este não é dos que fica no ouvido)

    Obrigado,
    MM

    • Na verdade, as touradas deviam ter existência apenas no mundo de ficção dos filmes. Filmes de terror, como é óbvio…

    • Eu assisti a touradas em criança. Durante alguns anos. Depois de adulta ainda vi algumas, poucas. Quer saber se me fez bem? Não, não fez, até pelo contrário. Levar crianças a uma praça de touros é CRIME!!! Levá-las ao cinema para ver filmes violentos é inconsciência, mas nas suas casa cada um faz e vê o que quer à frente dos filhos, agora tv nacionais a transmitirem touradas é outra história. Sangue é sangue, de animal humano ou não, é a mesma coisa!

  8. em criança e toda a minha vida assisti a touradas e ai ai ai que foi uma violência, eu hoje em dia nem consigo dormir porque cada vez que fecho os olhos me lembro dos dias em que fui a corridas de touros e do choque profundo que causou na minha vida, hoje em dia sou um frustrado, bruto, violento, não tenho educação , não sei ler nem escrever e cada vez que vejo um animal, parto-lhe o pescoço, aliás estou a pensar começar a fazer o mesmo às pessoas com quem me cruzo na rua tudo devido a sempre ter frequentado praças de touros…! Deixem-se de sensibilidades excessivas, como é possível ficar traumatizado, gosta assiste, não gosta olha para o lado, mas não lhe chamem traumatizante ou gerador de brutos e brutalidades, se não qualquer dia os vossos filhos nem vão ter vida pois tudo é bárbaro e brutal. A vida é mesmo assim e a tradição existe, é um facto! Cumprimentos

    • Os forcados, toureiros e cavaleiros são pérolas de sabedoria e delicadeza. ..

  9. Boa tarde a todos os intervenientes, depois de ver este artigo e os seus comentários passam-me várias coisas pela cabeça. Vou então enumerar:

    1) Então um tipo qualquer, que nem sequer é figura pública (porque esses sim, deontologicamente devem “ter tento” nas suas afirmações porque serão seguidas com bastante atenção pela praça pública), não pode escrever/ dar opinião sobre aquilo que bem lhe apetece? Que eu saiba, no nosso país (ainda) existe a liberdade de expressão!!! A liberdade de expressão serve para protestar contra algo com o qual não estou de acordo mas já não serve para um outro alguém “protestar” a favor desse assunto sobre o qual eu sou contra? Enfim…. é o país que temos….

    2) Não posso deixar de reparar no comentário do José Dores, em que diz: “Não podemos ignorar que estudos confirmam que as crianças que aprendem, através da atitude dos pais numa tourada, que fazer aquilo a um touro é aceitável e festivo têm problemas de agressividade com animais e pessoas…é um facto”. Pergunto eu: quais estudos? Realizados por quem?, por si?, pela protouro ou por qualquer outra associação deste tipo? Mais, seguindo essa linha de raciocínio então filho de ladrão seria ladrão, filho de taxista seria taxista, etc, etc… Não existe seguramente um estudo que diga que se o pai gosta de ver touradas então o filho também vai gostar!! Tal como é possível o pai ser de um clube, tentar influenciar um filho a ser desse mesmo clube e o filho acabar por torcer por outra equipa, por vezes até rival….

    3) Respondendo à Elisabete, qual a relação da percentagem de jovens desempregados com haver apoio de escolas para toureiros? Quer com isso dizer que se deveriam retirar os apoios às escolas de toureio (que imagino que devam ser milhões, milhões esses que resolveriam o problema da dívida certamente) para apoiar as empresas de maneira a criarem mais emprego? Espero que não seja isto que pretende dizer pois é uma ideia para lá de utópica! Gostaria de saber em que se baseia para dizer que a actividade tauromáquica “apenas forma broncos, iletrados e pessoas sem educação e sensibilidade”. Mais lhe digo, em criança assisti, felizmente, a muitas touradas e não me fez mal nenhum. Aliás, penso até que foi importante para formar o meu carácter pois pude ver o que era e decidir, POR MIM PRÓPRIO e não pelo impedimento dos meus pais, se gostava ou não.

    Termino dizendo que não sou um aficionado acérrimo nem um fã incondicional. Quando dá uma tourada na televisão gosto de assistir mas raramente me desloco às Praças de Toiros – não por ser contra mas apenas porque sim!

    Um abraço para o Duarte, que continue a escrever e a dizer o que bem entender!

    José Diogo Siqueira

    • Vários estudos comprovam o óbvio: a violência gratuita não é coisa para crianças. Nem para adultos…
      http://www.asanda.org/descargas/documentos/taurinos/menores_en_los_toros/repercucionespsicologicas.pdf

    • O que eu quero dizer José Siqueira, é que Portugal não precisa de toureiros nem de cavaleiros ou forcados e das escolas onde estes se formam, mas de escolas onde se EDUCAM cidadãos respeitadores de todas as formas de vida. A maioria dos toureiros etc. nem o 9º ano têm e são, sim, umas bestinhas quadradas. Cruzei-me de perto com muitos deles por isso SEI DO QUE ESTOU A FALAR!

  10. Gentinha de trazer por casa. Sou contra touradas, e este individuo de nome Duarte Palha pelo que consta tem um irmão que é maricas. quero ver se tambem vai pagar para o deixar entrar no mundo dos homens a sério… liberais numas coisas e ultra-conservadores noutras…

    • Não é ele (este tal de Duarte Palha) que está a chamar “maricas” ao rapaz em público… Vamos lá a ter calma e a ver se não fugimos ao tema… Não me parece que as escolhas do irmão, primo e cunhado sejam para aqui chamadas, estou enganada?

      • Então confirma as escolhas do irmão deste impostor trapaceiro, lampião aficionado de tal “arte” macabra a que chamam espetáculo tauromáquico?? Não me engam, pessoas do “bem” que se julgam detentoras de uma superioridade intelectual, e por isso é-lhes passado pelos pais esta indiferença em relação a normas e regras desta nossa sociedade, que aos poucos volta aos tempos do anterior 25 de Abril? Não queria acreditar neste seu, do Duarte, depoimento mas a cara de gnu, sem ofensas para o animal, não engana!! Estou deveras chateado com tudo o que o autor Duarte escreveu. não acho por normal que a liberade de expressão seja utilizada para apra incitar à violência, ao secato e à prevericação. Já nos chega o Papa!

      • Haja paciência… Não sei onde é que se leu no meu comentário que confirmo ou deixo de confirmar alguma coisa. Estava apenas a relembrar que o assunto em discussão não era aquele… Se não conseguem fazer um comentário crítico minimamente inteligente e construtivo, então contentem-se a ler o que escrevem os outros, porque chamar nomezinhos feios e fazer comentários homofóbicos não acrescenta nada a esta discussão… (entretanto perdi-me… a discussão era sobre crianças nas praças de toiros ou era sobre a cara do Duarte Palha, as relações amorosas do Quim Zé, as preferências gastronómicas do ti Paulo ou sobre a ciática da fifi, a cadela da ti Aurora?)

    • As vezes gostava de saber como e que um senhor, do qual nunca ouvi falar, sabe o que quer que seja sobre a vida do Duarte Palha e dos seus irmãos. Gostava de saber como e que sabe que ele e lampião. Pergunto-me onde foi buscar tanto ódio para o insultar, a ele e a sua família! Sou irmã do Duarte, acho repugnante a maneira como o senhor falou da minha família e, em especial, do meu irmão! Vocês, antis, acreditam ter razão, contudo não a sabem defender de forma civilizada e respeitadora. A Nós “pessoas de bem”, como nos chamam, foi sempre incutido o respeito pelo outro, a saber ouvir e respeitar as opiniões que das nossas diferem. É aí que se vê a grande diferença entre o meu irmão e todos aqueles que vieram aqui comentar. Nunca o vi insultar directamente ninguém. Nunca chamou “gnu” a alguém que não concordasse com a sua opinião e nunca insultou ou julgou familiares daqueles que não conhece.
      Por isso, senhor jorge Mendes, com a educação que me foi dada ao longo de todas as gerações da minha “família de bem”, lhe peço que se quer ser respeitado aprenda antes a respeitar e que não envergonhe a sua família ao baixar o nível da sua argumentação, tente ao menos aprender alguma coisa com estas pessoas “detentoras de uma superioridade intelectual”.

    • Eles, aficionados, costumam não gostar de maricas… É só uma nota. Este, por certo que deve ignorar o irmão.

      • Ó Elizabete… por amor de Deus!!! Acha este comentário digno?! E depois diz que os aficionados é que são brutos!…

  11. A minha familia sempre foi contra as touradas e sempre amou os animais, e so tenho a agradecer a Deus por isso. Lembro-me perfeitamente da primeira vez que vi na televisao passarem um “espectaculo” de touradas, e lembro-me que nesse momento a unica coisa que consegui fazer foi chorar, e ir-me embora porque nao aguentava ficar a assistir a tal tortura. E fiquei triste furante muito tempo. Ate hoje, nao consigo entender quem consegue gostar de ver aquilo…Para mim nao faz sentido.
    Eu chego a conclusao que este tipo de pessoa, “aficcionados”, so gostam de ver touradas e porque lhes incutiram isso desde muito jovens. E infelizmente duvido que mudem a maneira de pensar…Mas felizmente estas pessoas estao cada vez mais a tornar-se uma minoria no nosso pais e por isso fico contente. Pra finalizar, acho que o discurso desta pessoa – Duarte Palha – nao passa de um espelho da propria cultura que lhe encutiram, pois de personalidade propria nao tem nada. E’ lamentavel…

  12. Tenho vergonha, muita vergonha de ver pessoas da minha geração com tanta ignorância, falta de senso comum, sensibilidade e nada inovadores. No século XXI e a lutarem por uma cultura que vai contra o desenvolvimento da sociedade que se requer para sermos melhores e mais enlightened. Horrível ver como defendem a tortura para alimentar a elite portuguesa e a ignorância dos analfabetos, que Portugal regista ainda em grande número. Enfim, é a educação que os portugueses bem se orgulham de ter, uma vergonha no panorama europeu. Haja esperança por melhor, pois estas crónicas pseudo-intelectuais de conteúdo pobre em espírito não deixam mais que desespero com tanto desrespeito para com o futuro dos portugueses.

  13. Oh Duarte Palha em vez de tentares arranjar carneiros para os teus argumentos irracionais e que tal rebelares-te e tirares o cabresto, Hmmm? 😉

    Brincar com a vida dos animais não é ser rebelde, muito menos radical, não é tradição é barbaridade e desrespeito, tal como muitas coisas que se fazem mal feitas, umas punidas e outras nem tanto tal como essa de que falas ainda não é.

  14. Como eu gostava de alimentar a minha ficion e ver esta ”abécula” a ser toureado. De o ver a contorcer-se com as dores infligidas.

    • looooooool não faças isso.. ele é bom moço!

  15. A tauromaquia é altamente prejudicial ao desenvolvimento das crianças. Basta reparar os estragos que fez ao acéfalo Duarte Palha.

    • loool

    • Rica forma de debater com seriedade um assunto. Parabéns!

    • LOOOOOL!

    • Subscrevo, Filipe.

  16. A natureza de gente do calibre deste indivíduo é esta, julgam-se acima de tudo e de todos. Indecente, no mínimo. Mas ele afirma isto porque a impunidade tem estado do lado deles, mas só até um dia…

  17. Sendo vós apologistas da liberdade, como me parece pelo vosso “slogan”, querem que exista uma lei que proíba os pais de darem a educação que entendem ser a melhor aos respectivos filhos? E mais, que esses pais sejam punidos por tentarem ser livres de fazer escolhas e tomar decisões? Que raio de lógica!
    Saudações

    • Nós não queremos que exista uma lei que proíba os pais de educarem os filhos, queremos que exista uma lei que não permita que os pais ensinem aos filhos que torturar animais e assistir à tortura dos mesmos é algo normal e aceitável.
      Como pelos vistos a senhora acha que é perfeitamente normal dessensibilizar crianças, então só nos resta dizer que esperamos que não tenha filhos.

      • Protouro vocês são a minha bíblia abolocionista da tauromaquia. Não há palavra que diria diferente. E ainda bem terem a paciência de responder à aficcion, porque eu não teria.

    • De facto quen raio de lógico, viver gostar de uma coisa que se faz desde há séculos e querer justificá-la no século XXI, Lisa é impossivel. Você sabe que tem lógica aquilo que esta lei representa, como tem lógca não poder fumar em espaços fechados, como tem lógica tirar um filho a pais que poem em causa o seu desenvolvimento saudável. Não podemos ignorar que estudos confirmam que as ciranças que aprendem, através da atitude dos pais numa tourada, que fazer aquilo a um touro é aceitável e festivo têm problemas de agressividade com animais e pessoas…é um facto, não só da tourada mas de outros eventos similares… mas estamos em Portugal e a nós portugueses cabe-nos extinguir as nossas tradições culturais que ponham o saudável desenvolvimento das crianças em causa, os outros que extingam as deles.

      Claro que tem lógica Lisa, a sua atitude e a atitude do Duarte Palha confirmam a necessidade desta lei, nem é preciso argumentar mais, os aficionados, desde o surgimento deste despacho, têm escrito públicamente que não cumprem a lei, pronto está dito, agora passamos da criação de leis para a implementação das mesmas, as autoridades europeias agora terão de se focar não na idade mas nos mecanismos ineficazes de aplicação da lei.

      Obrigado a todos os aficionados!

    • Quando em Portugal uma considerável percentagem de jovens dos 15 aos 24 anos não estuda nem tem trabalho, continuam a existir apoios a escolas de toureio (que é o mesmo que dizer escolas onde se ensina a boçalidade e a tortura) e impunidade na tauromaquia, actividade que apenas forma broncos, iletrados e pessoas sem educação e sensibilidade. Acha que levar uma criança a assistir a touradas é dar-lhe uma boa educação? Não sei o que significa boa educação para si, mas qualquer pessoa com o mínimo de sensibilidade pensa que as touradas, sejam elas quais forem, ensinam o desrespeito tanto para com a vida dos animais que são toureados como para a vida dos humanos.
      Em criança assisti a touradas e digo-lhe que não é nada saudável…

    • E onde fica a liberdade de touros e cavalos de NÃO serem explorados e mortos? Que lógica do venha a nós é essa? Liberdade é só para seres honestos, não para assassinos psicopatas!

    • Cada um educa os filhos como quiser mas os touros não querem fazer parte dessa “liberdade de educação”. Que estupidez de comentário. Os pais tem de ser o filtro e ensinar o certo e o errado. Ou entao vamos legalizar tudo e os pais escolhem como o fazer, s forem a favor das drogas põe os filhos a consumir pq têm a liberdade de escolher a forma como os vão educar. E mais a parte de tudo isso. O q importa é q ninguém tem o direito de submter um touro ou qlqr outro ser vivo a tal sofrimento só pq acha q é divertido ou q é tradição e querer passar isso para as criança é simplesmente nojento! Quando tiver filhos eles vão saber que seres vivos são para serem respeitados e, espero, q quando tiver filhos as touradas sejam já proibidas! E espero sinceramente que não tenha filhos. Pessoas que pensam assim deviam ser esterilizadas!

    • Que nã só as crianças estarão a mais em assistir ou participarem na “tauromaquia”, na “festa”, na tortura, que satisfaz a TAUROMANIA, lucro da tauromafia.
      Para isso só há uma solução: ABOLIÇÃO da tolerância, do regime de excepção que permite furar animais para diversão e promoção “cultural” e… “artístico. Proibir, sim.
      Porquê? Pelos touros e pelos cavalos. Isso, para bom entendedor, é o bastante.

    • Lisa, acharia normal um casal levar os filhos a assistir a uma luta de cães? Bem sei que os circos romanos já se extinguiram, mas seria bom e educacional levar as crianças a ver homens a matar leões ou a degladiarem-se uns aos outros?… Olhe que não está muito longe da mentalidade desse tempo bárbaro… Se calhar não gosta de boxe, eu não gosto, mas olhe que é mais justo e de igual para igual. Passe bem e abra a mente!


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias